Skip to content

Sustentabilidade Emocional, Soft Skills & Engajamento – parte 1

Ao longo das últimas décadas, o mundo corporativo vem procurando ressaltar conceitos, ferramentas, métricas e alternativas que tornem os times cada vez mais comprometidos, engajados e, sobretudo, felizes. Mas, o que é felicidade corporativa? Um cenário acolhedor, com empatia, onde os colaboradores sintam-se bem?

Recentes pesquisas realizadas pelo LinkedIn Brasil mostram que menos de 30% das pessoas estão de fato engajadas no trabalho. Altos níveis de engajamento geram a felicidade corporativa e, consequentemente, aumentam a retenção de talentos, reduzem o turnover, agregam valor à imagem das empresas e aumentam os índices de produtividade e lucratividade.

Tracy Maylett (CEO da DecisionWise nos EUA e autor do livro: MAGIC – Cinco Chaves para Destravar o Poder do Engajamento) diz que é possível estar engajado no trabalho, não necessariamente por causa da empresa e sim pela conexão entre as pessoas, sentimento de pertencimento, possibilidade de crescimento pessoal e profissional.

As cinco chaves do MAGIC são fundamentais para estruturar e manter uma equipe engajada:

Diante deste contexto somado à minha experiência de mais de 30 anos na área de Recursos Humanos, julgo pertinente abordar os impactos das habilidades interpessoais / comportamentais, inteligência emocional, resiliência, adaptabilidade, escuta ativa (chamadas de soft skills) no engajamento dos colaboradores, nas organizações.

Como as soft skills estão atreladas à personalidade dos indivíduos, todos estes fatores serão influenciados pelo conhecimento, experiências vividas, expectativas e metas a serem alcançadas. Note que as habilidades comportamentais e interpessoais permeiam o dia a dia do ambiente de trabalho. Quantas vezes já tivemos que administrar conflitos que são ocasionados por falta de empatia ou inteligência emocional e por ruídos de comunicação? Imagino que a resposta tenha sido: inúmeras. Por esta razão é que as soft skills estão cada vez mais em evidência na gestão corporativa, nos momentos da contratação, promoções internas e até no desligamento, em que raras são as vezes que o interlocutor aborda os motivos, fato este que normalmente ocorre por inabilidades comportamentais e não técnicas.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é AdobeStock_212419703-1024x434.jpg

Uma recente pesquisa do LinkedIn (realizada com mais de 660 milhões de profissionais) mostrou que entre as competências mais requisitadas estão: Colaboração, Adaptabilidade, Criatividade, Persuasão e Inteligência Emocional. Além destas, minha vivência na área de Recursos Humanos ainda agrega como imprescindíveis: Empatia, Flexibilidade, Comunicação Interpessoal, Organização e Liderança.

Falando a respeito de pessoas em uma organização, é essencial que haja empatia e respeito entre elas. Existe uma pluralidade que ajuda a fortalecer a cultura e o engajamento. Cada pessoa carrega dentro de si virtudes que podem gerar benefícios às organizações. Um indivíduo pode produzir ideias interessantes e ter muito a agregar aos processos empresariais. É preciso ter muita sensibilidade ao lidar com pessoas e entender as suas aptidões e vulnerabilidades. Procurar se colocar no lugar do outro é uma atitude nobre e o grande segredo para boas relações humanas e o engajamento. É desenvolver o altruísmo.

A flexibilidade é uma competência que mostra a capacidade de se ajustar perante as mudanças e sempre tirar uma lição positiva da situação. Aceitar essas mudanças é a característica principal de um profissional flexível. Apesar de ser uma competência fundamental nos perfis de contratação, ainda precisa ser lapidada no mundo corporativo.

A comunicação é a principal base para uma gestão de alta performance e o engajamento. Para que o conceito de liderança humanizada se fortaleça nas organizações, é necessário que se sustente em 4 pilares:

  • Comunicação eficiente entre líderes e liderados;
  • Foco nas necessidades dos colaboradores;
  • Interação e integração entre as áreas e respectivos times;
  • Alinhamento dos processos com o perfil dos profissionais.

Portanto, as habilidades técnicas envolvem a facilidade para a realização das tarefas e atribuições ao passo que as habilidades humanas referem-se à facilidade em lidar com relações interpessoais e grupais. Note que é importante que a organização tenha profissionais habilidosos em se comunicar, liderar, conciliar interesses e solucionar conflitos. Com certeza é o que toda empresa deve buscar. Sendo assim, lanço a pergunta: Há como desenvolver as soft skills?

Quer saber mais sobre o Engajamento MAGIC? Clique aqui.

Gostou desse artigo? Compartilhe nas suas redes
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Sorhaia Fontes

Sorhaia Fontes

Sorhaia Fontes é Consultora Sênior de Recursos Humanos na DecisionWise Brasil, graduada em Psicologia pela PUC-SP, Coach pela SLAC, com experiência em Desenvolvimento Organizacional, Diagnósticos de Liderança, Cultura e Engajamento, Employee Experience, Assessment e Coaching de Carreira.

Sustentabilidade Emocional, Soft Skills & Engajamento – parte 2

Há como desenvolver as soft skills? Sim, elas podem ser tanto adquiridas como aprimoradas. O viés estratégico da área de Recursos Humanos deve estar sempre atento e ajudar os talentos
Read More

5 estratégias para melhorar as relações com os colaboradores da sua organização

A maioria dos líderes compreende intuitivamente a importância de construir relações fortes nas organizações. Isto, certamente para ajudar a reter o talento atual ou para criar uma proposta de valor
Read More

5 conversas sobre crescimento para engajar e reter os colaboradores

Um dos principais motivos pelos quais as pessoas deixam seus empregos é a busca pela oportunidade de crescimento. Aqui estão cinco conversas sobre crescimento que todos líderes devem ter para
Read More

6 etapas para tornar o crescimento profissional uma ferramenta poderosa para os colaboradores

No centro de nossos esforços para construir o engajamento dos colaboradores e retê-los está a questão do crescimento profissional. Infelizmente, muitas organizações não estão preparadas para abordar e trabalhar este tema.
Read More
Close Bitnami banner
Bitnami